Pagina inicial de Salão Paranaense de Turismo

Experiências religiosas movimentam 25% do turismo do Paraná

Experiências religiosas movimentam 25% do turismo do Paraná

Turista busca experiência completa; cidades devem oferecem mais atrativos


 

Para encerrar o primeiro dia de palestras no 25o Salão Paranaense de Turismo, o Painel turismo religioso - produtos + serviços e sua forma de rentabilizar e vender bem, contou com a apresentação de Jacó Gimmenes, representante da Paraná Turismo; Rodrigo Rosalem, diretor de planejamento da Fecomércio PR; Marcio Kleina, diretor executivo da Libermundo Turismo e Bibiana Antoniacomi, diretora da Special Paraná.

Jacó Gimmenes destacou que devido à sua singularidade, a acolhida nesse negócio tem aumentado progressivamente. Aproximadamente 25% do turismo no Paraná volta-se ao turismo religioso. “É uma presença da fé bastante expressiva. Nós realizamos sonhos e produzimos experiências de fé e evangelização”, destaca.

Rodrigo Rosalem aponta que esse segmento está em alta, mas é preciso investimento em capacitação, por meio de cursos, títulos e formação profissional. “É um setor altamente rentável, que gera emprego e renda, e transforma a vida das pessoas”, analisa. Rodrigo apontou também como a Fecomércio e o SENAC privilegiam o turismo, tanto em relação às vendas quanto em relação a prestação de serviços e economia. Já o SESC tem roteiros de turismo social que visa o desenvolvimento humano e socioeconômico, entre eles o Santuário São Miguel Arcanjo, em Jacarezinho, que tem outros atrativos para viabilizar o roteiro.

Todos defendem que o turismo religioso deve agregar experiências, trazer uma experiência completa e fazer com que o turista desfrute também de outros atrativos, como a gastronomia e o comércio local. Márcio Kleina reitera: “Com a sustentabilidade, o turismo se renova. Com a gastronomia, e o seguro viagem, as experiências se complementam”, frisa. “Nosso maior serviço é guiar e acompanhar turistas nesses dias, para conhecer a grandiosidade da cidade”, complementa.

Bibiana Antoniacomi, com o lema “quem conhece, respeita”, defende que "contar histórias é o que vende o turismo religioso", para diferenciar esse produto em relação aos outros. Ela também destacou a importância do Padre Reginaldo Manzotti, como um grande atrativo de Curitiba. “Há eventos que chegam a reunir mais de dois milhões de pessoas”, exemplificou. Bibiana também falou sobre o perfil desse público: “O nível de exigência é maior, mas as pessoas estão dispostas a pagar”, analisa. Sobre a questão inter religiosa, Bibiana falou que essa foi uma experiência dos próprios clientes. “ É fundamental divulgar outras religiões, e não somente a sua fé”, finalizou.

Baixar arquivo